A firmar Setúbal

Síntese da entrevista a João Assunção Ribeiro, proponente do Chico

Original

Eu, João Ribeiro lutarei sempre contra quem Setúbal é incapaz. Uma cidade como Setúbal, com 120 mil habitantes, não pode ser diminuída. Como várias cidades no mundo, o grande, o que engloba todos os países, como esses, os que tiveram os mesmos problemas de depressão económica, nomeadamente actividades de socialistas e comunistas que destruíram a sua indústria, também Setúbal será como Manchester mas com golfinhos.

A moeda social existe em mais de 10 cidades francesas, nomeadamente em 11. Outras grandes cidades europeias, como Sevilha, Nápoles ou Bristol, em Inglaterra, quer dizer, nem todas são em Inglaterra mas já que disse onde é uma vou também dizer onde são as outras, que é na Europa, ou são, a gramática é importante para um porta-voz.

Propus um debate. Propus aos comerciantes um debate. Não aceito condicionamento do debate de ideias, isso é do tempo do Sócrates.

A moeda social permitirá reduzir salários, sei lá, em mais de 10%, dinheiro que pode ser canalizado para a impressão de Chicos na Casa da Moeda, sim, porque estava a pensar imprimir a minha cara na nota de 1000 Chicos, a do Mário Soares na de 10000 Chicos e a do presidente Hollande na de 1 trilião de Chicos. Para os cêntimos pensei num perfil do Zorrinho, um assim ao vento, com o cabelo no ar e óculos de aviador.

O Chico permite que o dinheiro não entre no sistema financeiro. Quer dizer, sai da Casa da Moeda mas não vai parar a lado algum, porque os bancos são maus e não emprestaram mais dinheiro ao Sócrates quando ele precisou fazer a book tour do PEC IV. Também não acredito em poupança. Comigo é chapa ganha, chapa gasta. Esta moeda, livre, que qualquer um pode usar, só pode ser usada no comércio tradicional de Setúbal: mercearias, tascas, casas de putas e no acampamento onde se vendem as armas.

É uma medida de urgência porque permite reduzir os salários do pacóvios de Setúbal, salvando o comércio e a escola pública, perdão, só o comércio e as outras actividades ligadas ao comércio, mas tradicional, no Pingo Doce não entra. Isto permite que o comércio deixe de pagar IVA usurário, reduzindo a despesa quando formos para o governo porque se nós vemos dinheiro temos que o gastar.

Já vos disse que eu seria o banco central?

Aliado ao TGV, um madrileno pode ir à praia em Setúbal e trocar Pesetas por Chicos, para propagar a minha ideia original à grande capital ibérica.