O coiso do coiso

Paulo Coiso do Coiso Campos

Coiso do Cosio

Tenho escrito muita coisa sobre coisas profundas mas ainda não falei dos básicos extremos. Paulo Campos foi Secretário de Estado Adjunto das Obras Públicas e das Comunicações e diz que é economista. Depois de… fazer coisas… no grupo Águas de Portugal (altura em que passei a consumir exclusivamente água engarrafada), participou num governo memorável (a sério, nunca me vou esquecer) com iniciativas tão geniais como concessão de PPPs, aeroporto de Beja, Fundação para as Comunicações Móveis, torradeira Magalhães, TGV, OTA, financiamento da Estradas de Portugal (que acabou em falência) e telefonemas à Joana Amaral Dias (essa parte entende-se).

Fomentador de incompatibilidades, nomeação de amigos para os CTT com CV falso, chips nas matrículas, adjudicações de estudos a amigos por ajuste directo, renegociações danosas de PPPs, enfim, a festa da governação.

Tudo aquilo que vem nos livros sobre dedicação à causa pública? Este é a antítese disto. Estão por calcular todos os danos irreparáveis que o perturbador de digestões causou à carteira do caro leitor.

Paulo Campos figurará nos livros de história como a maior ténia com cargo governativo. Peço imensa desculpa aos leitores pela publicação deste post (e com fotografia, ainda para mais). Estou já disponível para atender a todas as interpelações por defesa da honra pela vossa sujeição a esta imagem.

Renegociemos então: Paulo Campos, doravante serás conhecido por Coiso do Coiso.