Tag Archives: Brochnyziev

Lembrando Brochnyziev

Z.

Nem li o Expresso mas li Z

Brochynziev, antes de morrer, deixou-nos uma obra que, pelo que se percebe nos média, será o guião do futuro; os tempos que se aproximam, futuro deste presente, passado de um futuro ainda mais longínquo, indiciam uma prevalência de constrangimentos que inibem circunstâncias que possam prevalecer sobre a determinação humana. Em Z, este último livro de […]

Ode ao caldo

A alarve sopeira sopava alegre Alegre soprava sopa ao alarve Sopra alarve sopeira sopra Sopa que sopra sopeira à tarde. — Brochnyziev

Encontrei Brochnyziev na cama com L

Brochnyziev é homem complexo, assertivamente metafórico na herdade latifundiária cerebral, ignóbil à ignominia descentralizadora da caracterização Haddock dos seus pinos gramaticais. Tanto escreveu sobre Arminda como a desflorou de virtudes ameríndias semanticamente eróticas. O homem é um colosso, Ulisses escrito e pensado sem virgulas ou achados em cantos cerebrais de cognição ecológica. Em Brochnyziev vê-se […]

Brochnyziev nunca foi ultraliberal, seus calhordas

Há aí gentalha, sim, ralé, aves rapinas culturais, essas poias de trigo regurgitadas que se apropriam de Brochnyziev como se da ADSE se tratasse. É preciso criar uma narrativa diletante sobre toda a história da literatura para conseguir encaixar, com fricção à toa, o célebre adágio “sem unto me besunto” em bandeira ultraneoliberal fascisante, seus […]

Entender Brochnyziev é compreender a humanidade inerente às pessoas

Há poucos estudos sobre a obra de Brochnyziev, como se o autor não frequentasse os mesmos círculos sociais que um vAlTer hUgO mÃe ou um José Luís Peixoto. Brochnyziev não é homem para se expor além da arte que exulta, indelével, às mijinhas, para o mundo – e que mundo -, meu Deus. Dotado de […]