Guia do blogger progressista

Motivação

Criar a ilusão aos leitores que o Partido Socialista nunca esteve no governo ou, se isso não colar, imputar à oposição, mesmo em maioria absoluta, as consequências dessa mesma governação. Em último caso, se nada mais colar, imputar a estrangeiros a responsabilidade por terem emprestado dinheiro a governos irresponsáveis (liderados pela oposição, há 20 anos). Se mesmo assim não colar, mencionar a Segunda Guerra Mundial.

Método

Usar a sobranceria intelectual consagrada pela constituição da república que permite propagar a ideia que os progressistas são as boas pessoas contra os inimigos do mundo, os conservadores e liberais, vulgarmente conhecidos por fascistas.

Como assegurar leitores

Não é difícil, apesar da competição feroz em mercado ultraneoliberal de outros progressistas anti-ultraneoliberais. O método mais eficiente consiste em conseguir as boas graças de um jornalista dito isento pois isso é código para progressista. Outro método consiste em usar as redes sociais aliadas a smartphones que permitam contactar a manada para aparecer em defesa se a discussão aperta (o que é comum, um progressista é-o pela convicção de possuir o bem, não por força de razão). O progressista acredita na fezada, por oposição à fé, irremediavelmente associada a religiões às quais se roubam conceitos mas nunca a terminologia (excepto “casamento”, um caso de sucesso).

Como ter sucesso?

Estar disposto a imiscuir-se nos círculos progressistas que consistem em pessoas que já viram Sócrates em cuecas.

E depois?

Depois pode ter tanto sucesso como os conhecidos bloggers progressistas franceses e gregos. No entanto, se aliar à escrita de palermices um curso no ISCTE, poderá também aparecer diariamente na televisão portuguesa.

E no futuro?

Quando as coisas apertarem mesmo, negar tudo.