Monthly Archives Junho 2013

O fim de regime é visível…

…excepto nos Domingos da RTP1.

Post anti-posta

Já ninguém sabe insultar como antigamente. Uma boa caralhada alivia suposições sem nexo de discussões de ideias. As pessoas precisam acreditar que não estão condenadas a um ajustamento e agarram-se à trolhice como Brochnyziev se agarra à gaita de foles. Se querem revolução, estão à espera de quê? Saltem dos poisos cómodos da função pública […]

Condolências

Sempre critiquei tudo o que o João Pinto e Castro escrevia. No entanto, expressava nos textos ter sentido de humor suficiente para não ligar a provocações parvas como a que tinha aqui ao lado com “o autor já foi bloqueado pelo João Pinto e Castro”. A notícia do seu falecimento deixou-me triste porque, diga-se o […]

Adolescente de bigode

Circula por aí um texto de uma adolescente que, sendo estudante, apoia a greve dos professores. A adolescente não tem fotos com as amigas, das unhas pintadas, do bikini giríssimo ou do rapaz da mota com quem gosta de ir para a duna. Não gosta de Bruno Mars ou One Direction. Em compensação, pertence ao […]

Eu tenho direitos!

Querida Apple: eu quero ver o calendário mensal com uns pontinhos catitas que mostram que vou levantar o cu do sofá nesse dia. O teu novo calendário no iOS 7 é um atentado aos direitos adquiridos. Ainda é beta, resolvam enquanto é tempo.

Lavamos a cara

Blog que é blog é blog que é blog –Brochnyziev Mudamos a cara ao blog. E por “mudamos” queremos dizer “mudei”. E por “queremos” quero dizer “quero”.

Como uma força. Como uma força que ninguém pode parar

Se eu disser batata…

…tu lês sopa. O problema é teu. A greve dos professores é porque motivo, já agora? Derrubar o governo? Está bem: a escola pública é democrática, afinal derruba governos. Aumentos? Não há. Emprego para todos? Não há. Horário de trabalho? Falem com os pais. Mobilidade? Pelo menos não estão no desemprego (falem com os pais). […]

Sugestão de leitura do catano

When the world proves refractory to one’s desires, as it always does to some extent, the overestimation of the powers of men to mold the world according to their will leads to a state of resentment, because one’s dissatisfaction must be someone’s fault, And resentment is one of the worst states of mind, for it […]

As palavras que nunca te direi

É só contigo que eu faço amor É só contigo que eu faço amor É aos teus beijos que me entrego No teu corpo que me esfrego É só contigo que eu faço amor. (Obra seminal da Bandalusa)