Vem aí o fascismo. Olhá castanha quentinha.

É surpreendente.

É surpreendente.

A quantidade de bestuntos que por aí andam a bradar “o fascismo, ai o fascismo“, membralhada dum coro de Santo Amaro de Oeiras mas em versão recos, vertem “Portugal acabou” com a mesma facilidade com que distribuem uma fotografia de um gatinho no Facebook.

Regra número um da comunicação: não andamos a gritar “ó da guarda, estão-me a violar” entre pregões de “olhá castanha, olhá castaninha” e observações como “parece que dão chuva para sexta“. É que não encaixa, percebem? É um bocado estúpido ter que vos explicar isto, porque vocês é que me querem tentar explicar que vem aí o fascismo e o Hitler montado na Segway para nos decepar a todos com um caralho das Caldas.

Ouçam: socialistas a advertirem que vem aí o fascismo é o mesmo que o Carlos Cruz advertir “cá vai disto, meu menino“. É que simplesmente não se avisa: entrai de uma vez por aí dentro com os tribunais constitucionais e os Marinhos Pintos e os procuradores das PPPs, todos montados em Paulos Campos liderados pelo Grande Líder Coiso. Agora andar aí com conversa de “ai que o fascista és tu, sua porca” é que nem lembra ao diabo. Sois uns mariconços, o que não tem nada de mal, mas ao menos esforçai-vos para para sair do armário de uma vez por todas.