Pronto, se é muitíssimo limitado o uso de calculadora, então melhor

Nada como poder fazer um estudo por todas as salas de aula das escolas primárias para se ter a certeza que “o uso da calculadora no ensino básico – é dele que se fala – é muitíssimo limitado”. Esses números mereciam ser publicados (máquina de calcular seria permitida, para o efeito).

A vantagem é que se o uso de calculadora no ensino básico é muitíssimo limitado, a sua abolição será indolor. Se é indolor, não se percebem os protestos… Ou… Serão os protestos habitualmente direccionados para coisas de uso muitíssimo limitado?