E se Passos se demitir?

Valupis a prepararem os posts de hoje.

Valupis a prepararem os posts de hoje.

Muitas linhas se escrevem sobre coisas variadas (neste caso no blog dos concorrentes do jugular mas em modo “ainda não fui convidado para o Heron Castilho, mas gostava, apesar de não ser muito dado a sexualidades alternativas, não que tenha nada de errado, mas a minha mulher não alinha, e eu até compreendo, porque há doenças e coisas dessas, e eu até tenho filhos, o que é capaz de não ser bem visto e tudo nesses meios, mas o Sócrates também tem, por isso não deve fazer mal”), mas poucas linhas se escrevem sobre coisas exclusivas. A Constituição é um documento e pêras, uma coisa simpática, até infantilmente naïf, sobre uma utopia qualquer de Valupis e Abrantes. A Constituição, por si só, é inócua, como qualquer Harry Potter ou o Anita Pesca Uma Enguia. O problema da Constituição são os caramelos que servem de seus guardiões. Seria muito mais barato criar o Manifesto pela Função Pública e fazer deste letra de lei. O Daniel Oliveira faria uma petição e tudo.

Respondendo à questão, se Passos se demitir, temos Seguro. Estamos completamente seguros com um homem que consegue falar duas horas sem dizer nada. Tenho a certeza que enrolará Merkel ou outra gaja qualquer, desde que fale de trás de um biombo. O único problema de Seguro é a linguagem não verbal. Agora, se lhe meterem uma daquelas cenas do KKK na mona, não há ninguém que não convença. Ontem vi a entrevista na SIC Notícias mas substituindo o som pelo Dark Side of the Moon e garanto-vos que funciona.

Até às 18h30 (ou 20h05, ainda não é claro), há muito tempo para ir ao Multibanco. O limite diário são 400€ o que, parecendo que não, ainda são 75.312.121 ₡1


1 Habituem-se ao símbolo do Chico.