Bochecas quer fígados

O nosso diamante em bruto, a peça de marfim da nossa democracia, o doutor Mário Soares; Grande-Colar da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito; Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e Grande-Colar da Ordem da Liberdade, deu uma ‘entrevista’ ao jornal i. Nesta, o camarada Bochecas apela, de todas as formas possíveis que não geram prisão, a que se estripe a figadeira a algumas pessoas de quem ele não gosta.

photoQuando não há dinheiro não se paga“, “se soubermos dizer que não pagamos, é óbvio que os portugueses darão um suspiro de alívio. A pobreza começa a desaparecer bem como o desemprego“. Sair do euro nestas circunstâncias de incumprimento? “Não creio. Talvez seja, pelo contrário, uma forma de salvar o euro“. “O essencial para salvar o euro (e a União Europeia) é repor os mercados usurários a obedecer aos estados, e não o contrário“. “Acabar com a austeridade e pôr os mercados usurários a obedecer aos estados, como sempre aconteceu antes da crise, é condição sine qua non para salvar o euro e a própria União Europeia“. “Thatcher, e o seu correligionário Ronald Reagan, foram quem lançou o neoliberalismo e o conceito imbecil de que o dinheiro vale mais que as pessoas“. “Foi o que nos levou à crise actual – que é política, social, ética e ambiental, e ao tremendo desastre que está realmente em curso. O Presidente Cavaco Silva parece que não acredita que há crise e é por isso que se permite passar uma semana na Colômbia e no Peru“. “A Grécia não está à beira do caos, pelo contrário: depois de receber o dinheiro indispensável para so-breviver, pediu uma indemnização à Alemanha, que lhe é devida desde a Segunda Guerra Mundial“. “Os estados não se avaliam pelo dinheiro que têm, mas sim pela sua história e pela sua gente. Nesse sentido, Portugal não pode ser considerado um país pobre, bem pelo contrário“. “É um governo moribundo, que paralisa o país e ainda não compreendeu que está a morrer, é odiado pela esmagadora maioria dos portugueses – por isso os ministros são vaiados quando surgem em público, fogem sempre – e não tem vergonha nem um mínimo de dignidade. É verdade que não defendo eleições porque no estado actual só virão complicar e não resolverão nada“. “O Presidente Cavaco Silva devia lembrar-se da história do século xx. Por muito menos que isto foi morto D. Carlos, que aliás era um bon vivant e chamava ao seu país a “piolheira”“. “Quanto a romper com a troika, além de Seguro ser um patriota, é evidente que terá de o fazer, mais cedo ou mais tarde… A troika é o maior inimigo de Portugal e quem manda na troika são os mercados usurários“. “[Sócrates] É hoje um outro homem, muito mais culto e ponderado do que era“. 

Por muito menos que isto, mataram o Sá Carneiro.