APELando ao raciocínio

Se o número apontado pelos comentadores no meu post sobre a não realização da Feira do Livro do Porto estão correctos, isto dá que pensar.

Sendo verdade que as editoras participantes pagam 400€ à APEL pelo seu stand, de acordo com o website da feira do livro do ano passado, os 70 participantes pagaram 28,000€ pelo privilégio.

Descontando receitas dos patrocinadores (Olá e Christina em 2012), com a prestação autárquica de 75,000€, a APEL teve 103,000€ para realizar o evento. Das duas, uma: ou os 70 participantes não estão dispostos a pagar 1,472€ pelo stand este ano; ou a APEL simplesmente continua à estender a mão à espera do que lá possa cair.

Seria de supor que o acordo ortográfico era um bom negócio para a APEL. Talvez seja altura de o denunciarem para que possam aumentar receitas com livros escolares escritos no novo-novo-acordo-ortográfico.