A decência

 

Carlos Castro e Renato Seabra no Facebook

 

(montagem utilizando foto com licença CC BY 2.0 de Joe Naylor)

 

 

 

 

O jornal Sol publicou um screenshot das mensagens privadas trocadas via Facebook entre Renato Seabra e Carlos Castro. Ao ver esta imagem publicada, fui verificar a definição de “privado” recorrendo à óptima ferramenta disponibilidade pela Priberam com a intenção de determinar quais as situações em que “privado” pode ser do domínio público.

  1. Que é de acesso condicionado, reservado” – Pois, aqui é o que eu pensava, que “privado” significa que o acesso à informação é condicionado e reservado aos intervenientes. Por aqui não há justificação para a publicação. Adiante.
  2. Que diz respeito à intimidade de um indivíduo”  – Pois, é o que eu pensava. Por aqui também não se justifica a publicação. Adiante.
  3. Que não pertence ao Estado” – Confere. É privado. Não é público. É o que eu pensava. Adiante.

 

E… não há mais definições que se apliquem portanto, sou levado a concluir que não existe qualquer fundamento para a publicação da imagem assim como presumo tratar-se, no mínimo, de um crime de violação de correspondência.

 

Publicar isto é imoral e o único serviço informativo que presta é equivalente ao da alcoviteira entre cedências de leito alheio mas, deve haver alguém que gosta. Temos que ser positivos e optimistas: pelo menos já não enviamos gente para lutar com leões num circo, certo?